Restrito aos Associados

Área dos Associados

Usuário
Senha *
Lembrar de mim

Rio de Janeiro - Quinze alambiques das regiões do Médio Paraíba e Centro-Sul fluminense estão participando do recém-criado Polo da Cachaça do Vale do Café, que será lançado oficialmente no final de setembro na feira anual da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav), que este ano acontece em São Paulo. O projeto visa valorizar o produtor local com a criação de um circuito de visitação, alavancando o turismo na região e, com isso, estimulando o consumo da bebida, aumento da produção e geração de empregos.

O projeto vai se espelhar na expertise da Serra Gaúcha e seu enoturismo, que atrai anualmente mais de 200 mil turistas para a região. Já está prevista para agosto uma visita dos produtores dos alambiques fluminenses e secretários municipais de turismo envolvidos no projeto a essa região vinícola do Sul do país a fim de conhecer a experiência.

- Trata-se de uma receita muito importante para o nosso estado. Hoje, os produtores de cachaça atuam de forma isolada. Com o polo, vamos ajudá-los a organizar um roteiro, que será comercializado por agências de turismo e que vai contar com guias locais que acompanharão os turistas nas visitas, com direito à degustação das cachaças – ressalta o secretário de Estado de Turismo, Claudio Magnavita.

O novo polo também vai ajudar os proprietários dos alambiques envolvidos a ter acesso à participação em feiras e mercados ligados ao produto.

- Acreditamos que a iniciativa deve aumentar em 30% a geração de empregos na região, criando mais de 200 novos postos de trabalho – avalia Magnavita.

Maior visibilidade

Para o presidente da Associação de Cachaças do Vale Histórico do Café e também proprietário de uma destilaria, Eli Werneck, a criação do polo vai proporcionar um turismo mais direcionado e acessível.

- As visitações já acontecem, mas de forma desorganizada e casual. O turista vem por conta própria e, muitas vezes, não consegue conhecer boa parte dos alambiques. Com o roteiro que será criado, vamos receber mais visitantes e, com isso, aumentar nossa visibilidade – explica Werneck, que acredita que as vendas de cachaças devem aumentar entre 50 e 80%.

Além da criação do roteiro de alambiques e apoio aos produtores, o Governo do Estado vai ajudar o projeto na produção de sinalização turística e na divulgação, que inclui ações de marketing, folheteria e material promocional.

- O Vale do Café já produz cachaças de excelente qualidade, inclusive premiadas internacionalmente. O polo vai aumentar a exposição desse produto tão brasileiro, atraindo turistas e consumidores não apenas do país, mas também do exterior – acredita Magnavita.

Foco no interior

O secretário lembra ainda que a ação reforça a política do Governo do Estado de valorização do interior, em especial as forças produtivas.

- Os alambiques estão funcionando a pleno vapor e já recebem muitos turistas. O polo chega para organizar e projetar o que já vem sendo feito, mas com potencial de atingir um público muito maior. A região possui boa rede de serviços turísticos, como hotéis, pousadas, restaurantes. Com o projeto, vamos atrair um maior número de pessoas para lá para conhecer nossa cachaça – completa.

Atualmente, os produtores legalizados e formais da região produzem por ano cerca de 700 mil litros de cachaça. A mão de obra direta ligada à produção do produto soma cerca de 400 profissionais. Os municípios envolvidos com o Polo da Cachaça do Vale do Café são Areal, Barra do Piraí, Barra Mansa, Engenheiro Paulo de Frontin, Mendes Miguel Pereira, Paraíba do Sul, Paty do Alferes, Piraí, Resende, Rio das Flores, Três Rios, Valença e Vassouras. 

 

Publicado em: Folha Vale do Café
Data: 05/8/2014
Link:http://www.folhavaledocafe.com.br/regi-o/interior-do-rio-ganha-polo-da-cachaca-do-vale-do-cafe-com-15-alambiques-1.1485325#.U-EPueNdUj0

 

 

Instituto Brasileiro da Cachaça